Nuvem

João Pessoa - PB

Thiago Trapo

Natural de Campina Grande, Paraíba, Thiago Trapo reside em João Pessoa, onde atua como artista plástico há nove anos, se utilizando da arte como expressão social e subjetiva. Desde sua infância foi detentor de habilidades artísticas se consolidando como tal na sua juventude. Com uma arte que cria e recria novos conceitos e suportes artísticos, Thiago Trapo constrói uma abordagem mística e política, envolvendo temas como o feminino, o ocultismo, a natureza e figuras humanas através de tintas, fotografia, papel e tela, de maneira multifacetada na sua expressão.

Em 2008 iniciou o curso técnico de pintura contemporânea, com o artista plástico Pádua Lucena. Nesse mesmo ano, participou da exposição coletiva BalaParaHomemMagro realizada no espaço Ksa Rock, João Pessoa-PB. Participou ainda da exposição coletiva As cores e a criatividade, realizada no Centro Cultural São Francisco, da mesma cidade; e da Mostra da produção emergente na arte contemporânea de João Pessoa, realizada no IAB-PB (Instituto de Arquitetos do Brasil). Além disso, ainda integrou duas exposições neste ano: a exposição coletiva realizada no CENATED (Centro Estadual de Arte) e a exposição coletiva Artistas do nosso tempo, realizada na biblioteca da Universidade Federal da Paraíba.

Em 2009 atuou como co-fundador do Holístico Extrapiramidal, que realiza ações de pesquisas visuais, auditivas e intervencionistas na cidade de João Pessoa; e realizou a exposição individual Desconstruindo a Esotérica, realizada no Espaço Mundo. No ano de 2010 iniciou com a exposição individual Tropical 2D, projetada com um conceito multimídia, no N.A.V.E (Núcleo de Artes Visuais Experimentais), na cidade do Recife-PE. Adiante, na mesma cidade, participou da exposição coletiva Divino Sopro, realizada no Espaço Muda; e produziu a capa do disco da banda parahybana Ubella Preta.

Em 2011 o artista atuou na criação de uma capa para a revista Cenário; participou da curadoria e atuação na Expo coletiva intitulada V, realizada na Usina Cultural Energisa, do festival Mundo em João Pessoa. Na cidade de Campina Grande- PB participou da exposição coletiva no Palácio das Artes Suellen Carolini, do 1º Simpósio Internacional de Arte Contemporânea, realizado pelo projeto Arte na Contemporaneidade: pensamento, criação e ato. Produziu, também, neste ano, a capa do disco da banda parahybana Dalva Suada.

Como ilustrador/expositor, fez parte do projeto Parede Poética, criado pelo poeta Ivaldo Gomes, realizado dentro do festival anual Aldeia SESC, no SESC Centro, na cidade de João Pessoa. No campo do audiovisual, teve seu curta-metragem ONZE ZERO DOIS, o qual atuou como diretor e roterista, exibido no festival internacional Cineport, também em João Pessoa. Para fechar o ano, participou da exposição coletiva com a temática da psicodelia, realizada na galeria Archidy Picado, da Fundação Espaço Cultural (FUNESC) na mesma cidade.

Em 2012, Thiago Trapo ministrou a oficina de arte: Máscaras e Papietagem, realizada no serviço de saúde mental CAPSad, na cidade de Cabedelo – PB. Em 2013 deu prosseguimento a realização de oficinas de artes, como oficineiro de artes plásticas no CAPSi Cirandar, referência em AD da cidade de João Pessoa.

E já em 2014, o artista participou de duas exposições: uma individual, intitulada Lunares, com curadoria do artista plástico Dyogenes Chaves, na Aliança Francesa na capital paraibana; e uma coletiva na Rede arte contemporânea. Além disso, neste ano, ilustrou a capa do disco da banda pernambucana Anjo Gabriel, lançada em vinil.

DoVentre5

DoVentre3

DoVentre2

DoVentre1

trapo ft.jpg