Nuvem

Estudos de Portinari na CAIXA Cultural Recife

A inédita exposição Portinari – a construção de uma obra chega à CAIXA Cultural Recife revelando um lado pouco conhecido do artista. De 10 de julho a 16 de agosto, cerca de 60 estudos do pintor, desenhista e muralista, Candido Portinari (1903 a 1962), estarão expostos num espaço cenográfico especial, que contará com 11 esculturas produzidas pelo artista plástico Sergio Campos, inspiradas em personagens portinarianos. A abertura será no dia 9 de julho, as 19h30. A visitação é gratuita e poderá ser realizada de terça a sábado das 10h às 20h, e aos domingos das 10h às 17h. A classificação indicativa é livre.

PortinariOLavradorDeCafeFoto03

Será apresentado ao público um Portinari em pleno processo criativo, em fase de experimento de seus traços tão repletos de força e vida, como no caso dos estudos para o painel Guerra e Paz, produzido entre 1952 e 1956, e considerado um dos mais importantes trabalhos realizados por ele. Além de estudos, há também telas à oleo, maquetes, esboços e desenhos que revelam a alma e a construção da obra de um dos maiores artistas plásticos do país. Para o curador da mostra, Luiz Fernando Dannemann, cada esboço é como um trabalho concluído. “São pedaços preciosos de um artista singular, de quem buscou originalidade na própria poesia do homem”, reflete.

 

Para dialogar com as obras, serão exibidas 11 esculturas do artista plástico mineiro Sergio Campos, conhecido por esculpir em aço e cobre personagens fortemente conectados ao discurso social e cheio de força dos cafezais de Portinari. Haverá ainda um vídeo sobre a vida e obra do artista, que pela importância de sua produção estética e pela atuação consciente na vida politico-cultural brasileira alcançou reconhecimento internacional.

Portinari

Candido Portinari está vivo em cada traço de grafite que buscou desenhar sobre as mais diversas superfícies nas quais tão bem registrou o povo sofrido, a miséria, mas também a alegria do futebol, dos jogos, brincadeiras infantis, e do ser humano em situações de ternura, solidariedade e paz. “Portinari certamente gostaria de ser visto pelo seu público como um fiel operário da arte, a reconstruir Pixinguinha; os colecionadores de pássaros; os espantalhos; os chutadores de bola; os homens negros; as mulheres das colheitas; as crianças no sobe e desce das gangorras; as famílias que se retiravam dos sertões”, resume Dannemann.

 

O curador é também empresário. Fundou a galeria Dom Quixote de arte e Dom Quixote editora, tem se dedicado nos últimos anos a realizar exposições e lançamentos de obras inéditas de grandes artistas contemporâneos, além de desenvolver projetos também na área de patrimônio histórico. É membro da Societè des Amis du Louvre, em Paris e membro fundador da sociedade dos amigos do Museu Naval. Já realizou mais de 30 exposições de arte com artistas como Cícero Dias, Claudio Dantas, Di Cavalcanti, Djanira, Eliseu Visconti, Romanelli, Virgílio Dias, entre outros.

 

Candido Portinari – Nascido em 30 de dezembro de 1903, no interior de São Paulo, na cidade Brodowski, filho de imigrantes italianos, teve uma infância humilde. Recebeu apenas a instrução primária. Desde criança manifestou sua vocação artística, começando a pintar aos 9 anos. E – do cafezal às Nações Unidas – se torna um dos maiores pintores do seu tempo. Em sua trajetória, estudou na Escola de Belas-Artes (RJ), visitou países, entre eles a França e a Itália, onde concluiu os estudos. Em 1935 recebeu uma premiação em Nova Iorque um prêmio por sua obra “Café”, que o projetou para o mundo. Faleceu em 1962, tendo como causa aparente uma intoxicação causada por química presente nas tintas. Mais informações: http://www.portinari.org.br/#/pagina/candido-portinari/apresentacao

 

Sergio Campos – Desenhista, pintor e escultor, é formado pela Escola de Belas Artes da UFMG.Criou técnica para construção de esculturas em aço e cobre e executou monumentos públicos de grande porte. Estudou pintura mural e escultura em bronze com o italiano Franco Cerri.Seus desenhos, desde os primeiros, tem uma alta tensão de músculos retesados, de veias saltando, um quê de flerte os personagens de Portinari.

11722316_10207062229662129_4711923617219171539_o

Serviço:

Portinari – a construção de uma obra

Local: CAIXA Cultural Recife, Avenida Alfredo Lisboa, 505 – Praça do Marco Zero – Bairro do Recife Antigo. – 3425-1900/1915

Data: Abertura 9 de julho, às 19h30.

Visitação: 10 de julho a 16 de agosto de 2015, de terça a sábado das 10h às 20h e aos domingos das 10h às 17h.

Classificação indicativa: Livre

Entrada Gratuita

Acesso para pessoas com deficiência